Política de Cookies TICNOLOGIA - Directiva Europeia - EU e-Privacy Directive

Este website utiliza cookies na gestão de autenticações, navegação e outras funcionalidades que lhe disponibilizam uma melhor experiêcncia de utilização. Ao utilizar o nosso website, você aceita que nós coloquemos este tipo de cookies no seu dispositivo.

Visualizar toda a documentação sobre o e-Privacy Directive

Home Notícias ESOP pronuncia-se sobre o Plano Estratégico para as TIC


ESOPDepois de tomar contacto com o documento intitulado Plano Global Estratégico de Racionalização e Redução de Custos nas Tecnologias de Informação e Comunicação, agora disponibilizado ao público, a ESOP considera o documento ambicioso e de um modo geral e alinhado na direção certa.

A ESOP, Associação de Empresas Open Source Portuguesas, já teve acesso ao PGERRCTIC e tendo sido ouvida no âmbito deste plano estratégico a ESOP, pronuncia-se agora sobre o seu conteúdo por forma a dar a conhecer as suas posições. O presente comunicado responde a estas duas responsabilidades.

"A ESOP revê-se de um modo geral nas medidas presentes no documento, chamando a atenção para algumas que nos parecem de especial importância:

  • Arquitetura, normas e guidelines de Tecnologias e Sistemas de Informação
  • Interoperabilidade na Administração Pública
  • Adoção de Software Abertos nos Sistemas de Informação do Estado
  • Catalogação, partilha e uniformização de software do Estado
  • A racionalização como princípio, presente em várias medidas
  • A orientação estratégica como princípio, por oposição ao laissez faire


A ESOP pretende com este comunicado deixar claro que reconhecendo a racionalização como medida inquestionável, acredita que tal não deve significar o fim do investimento em TIC. O ponto-chave é a distinção entre custo e investimento e passa pelo efeito económico dos diferentes tipos de despesa.

Significa isto, que obter descontos em renovações de licenças do fornecedor “habitual” - em que a maior parte da despesa corresponde a importações - é economicamente diferente de dar oportunidades a empresas nacionais. Também o desenvolvimento redundante de software semelhante de forma dispersa em múltiplos pontos da AP não tem o mesmo efeito que a partilha pelo Estado de cada desenvolvimento contratado. A ESOP afirma que see o resultado de cada desenvolvimento for partilhado é possível, mesmo reduzindo os níveis de despesa, aumentar continuamente a tecnologia disponível e com isso aplicá-la para melhorar a performance dos serviços. A catalogação e uniformização de software desenvolvido para o Estado é aliás uma das medidas presentes no plano."

Para ler os restantes documentos que reflectem a posição da ESOP, visite:

http://www.esop.pt/documentos

Online

Temos 131 visitantes em linha